ESTREIA DE PERFORMANCE
4 NOVEMBRO 2004
FORUM LISBOA
INICIO 21H30
ENTRADA: LIVRE


21H30 Estreia da performance "30 DIAS EM 15 MINUTOS" de Catarina Gageiro e Rui Silveira, DEGRAU ZERO
22h00 Estreia da performance "FLATLAND/PARA CIMA E NÃO PARA NORTE" TO BE IS TO BE SEEN!" de Patrícia Portela


FLATLAND/PARA CIMA E NÃO PARA NORTE" TO BE IS TO BE SEEN!
de Patrícia Portela em colaboração com Anton Skrzypiciel and Christoph de Boeck

Sinopse:
Esta instalação-espectáculo divide-se em 5 episódios onde o mundo das duas dimensões se encontra com a realidade tridimensional num labirinto de cortinas móveis. Cada parte corresponde a uma fase diferente da vida de um Homem Plano, um Homem bidimensional que descobre que lhe falta uma terceira dimensão. Percebendo que através do cinema e da performance ele pode existir temporariamente no mundo 3D, o Homem Plano decide raptar o público para que fiquem eternamente a olhar para ele e lhe confiram uma imortalidade Espacial. Este "herói tecnológico‰ vive, naturalmente, num mundo de imagens, existindo apenas no mundo 3D quando um público olha para ele.




30 DIAS EM 15 MINUTOS
PERFORMANCE/COREOGRAFIA
Concepção, Direcção Artística e Interpretação_ DEGRAU ZERO (CATARINA GAGEIRO + RUI SILVEIRA)
Consultoria Artística_MIGUEL PEREIRA

"Pareço falar de mim, mas não sou eu, não é de mim. Como fazer, como vou fazer, que devo fazer, na situação em que estou, como hei-de proceder? Por mera aporia ou por afirmações e negações que vão sendo infirmadas, ou que acabarão por ser infirmadas, mais cedo ou mais tarde. Isto de uma forma geral. Deve haver outros viés. Se não, seria caso para desesperar de tudo. E é mesmo caso para desesperar de tudo. (…)Os sim e os não são outra coisa, ocorrerme-ão à medida que for avançando, bem como a forma de lhes cagar em cima, mais cedo ou mais tarde, como um pássaro, sem que me esquecer de um só". Excerto de "O Inominável" de Samuel Beckett

Para nós a arte deste novo século têm a obrigação de estar conectada com a crítica e a filosofia do nosso tempo. Deste modo deverá ser uma das preocupações do artista desenvolver uma linguagem de cariz politico, activo e intelectual, demonstrando uma clara preocupação pelo contexto em que se insere e no momento em que se desenvolve. Neste trabalho procurámos trabalhar conectados com os momentos que vivemos aproximadamente nestes 30 dias que antecederam a apresentação neste projecto, que não pretende ser mais do que uma interpretação daquilo que nos rodeia.

Inevitavelmente estes 30 dias disseram-nos respeito quer enquanto artistas quer enquanto cidadãos, pois foram um período que dedicamos à reflexão na nossa condição individual e "posição delicada" nestes tempos críticos que vivemos actualmente causada entre muitas outras pela "pressão" que os Estados Unidos da América estão a exercer a nível mundial onde conflitos como a Guerra do Iraque representa algo demasiado negativo para o Ocidente. Neste trabalho pretendemos basear-nos em ideias básicas e temáticas concretas, procurando sempre "encurtar" os caminhos para a criação simplificando o que nos interessa debater e mostrar em ideias/imagens básicas mas não simplistas. Nestes 30 dias procuramos "resolver" associações proporcionado novas leituras e formas para os mesmos espaços de sempre - os pensamentos e reflexões de 30 dias num peça de mais ou menos 15 minutos.

CATARINA GAGEIRO
actriz, formada em Acting pelo Lee Strasberg Institute, Nova Iorque e pelo IFICT (Instituto de Formação, Investigação e Criação Teatral) de Lisboa. Participou no 1º Curso de Encenadores do Teatro da Trindade, Lisboa, dirigida por Cláudio Ochmann. Complementou a sua formação teatral no Chapitô, frequentado cursos com Bruno Schiappa e John Mowat, e no Teatro A Comuna com Luca Aprea. Em dança, formou-se no CEM (Centro Em Movimento), Lisboa frequentando workshops com Sofia Neuparth, Peter Michael Dietz, Amélia Bentes, Howard Sonenklar, Sílvia Real e Mónica Valenciano. Em 2000, participou no Encontro Internacional "Dançar o Que é Nosso" promovido por Danças na Cidade. Destaca na sua formação o trabalho de voz desenvolvido com Ron Panvini, em Nova Iorque. Da sua formação , destaca-se ainda a frequência da pós-graduação em Estudos de Teatro, pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Enquanto actriz trabalhou com Bruno Schiappa, Cláudio Ochmann, Ruth Mandel, Pogo Teatro e Pedro Gil. Em dança trabalhou com Sílvia Real, no IDL (International Dance Makers Laboratory), Nova Iorque e desde 2000 colabora regularmente com Rui Silveira, com o qual co-fundou a associação Degrau Zero.

RUI SILVEIRA
é diplomado em Artes do Espectáculo. Iniciou a sua formação em dança com Sofia Neuparth, prosseguindo os seus estudos no CEM (Centro Em Movimento), em Lisboa, na qualidade de bolseiro sob a tutoria de Sofia Neuparth e Peter Michael Dietz. Posteriormente, frequentou o 1º Curso Superior de Especialização em Coreografia e Técnicas de Interpretação de Dança, ministrado pela Escola Superior de Dança do Institut del Teatre de Barcelona. Em 2002, integrou o Curso Intensivo de Pesquisa e Criação Coreográfica (560 Horas), ministrado pelo Fórum Dança, em Lisboa, participando em estágios com os coreógrafos Francisco Camacho, Vera Mantero e João Fiadeiro. No seguimento deste curso, a convite de João Fiadeiro, integrou como performer convidado várias residências de pesquisa da RE.AL (Resposta Alternativa) / Cia. João Fiadeiro, no Lugar Comum, Barcarena. Como intérprete trabalhou para os coreógrafos Ludger Lamers, Krystina Lhotáková, Amélia Bentes/Circular Ar, Frans Poelstra, Filipe Viegas/Bomba Suicida, Paula Varanda, António Tavares, Sofia Neuparth, Maria João Garcia/Ninho de Víboras e Jessica Henou. Como actor trabalhou com os encenadores Joan Font, Gisela Cañamero e Phillipe Genty. Iniciou recentemente o seu trabalho coreográfico apresentando as peças "T-h-i-s_i-s_m-y_b-o-d-y_w-h-i-c-h_i-s_b-r-o-k-e-n_t-o_y-o-u" (2000); "85 dias em 5 minutos" (2002). Juntamente com Catarina Gageiro é membro fundador do Degrau Zero.